Javascript
Condenado por estelionato tem pedido de liberdade denegado Imprimir E-mail
Crimes Contra a Previdência
Seg, 10/09/12

 

Réu da Operação Evidência, Valter Pereira fraudava benefícios previdenciários do INSS

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) denegou o de habeas corpus a Valter Pereira Cesar, condenado a 10 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de estelionato, corrupção ativa e quadrilha, no qual ele pedia o direito de recorrer em liberdade. A sentença condenatória estabeleceu que Pereira deveriam permanecer presos durante o julgamento dos recursos. No habeas corpus, a defesa alegava que essa decisão não estaria fundamentada.

Segundo as investigações, Pereira e mais 12 comparsas eram integrantes de quadrilha que fraudou o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), onde conseguiram irregularmente mais de 300 benefícios previdenciários, causando prejuízo aos cofre públicos. De acordo com a denúncia, Pereira, como era delegado, utilizava a estrutura da polícia civil para intimidar as pessoas que ameaçavam a continuidade do esquema, garantindo a segurança dos crimes.

Segundo a defesa, a decisão da sentença não estaria fundamentada, uma vez que para 5 corréus foram permitidos que recorressem da sentença em liberdade e por isso o benefício poderia se estender ao réu.

A Procuradoria Regional da República da 3ª Região (PRR-3) rebateu as alegações da defesa e se posicionou contra a concessão de liberdade. Para a PRR-3, a decisão de quem poderia ou não recorrer em liberdade foi definida através da participação individual de cada um dos acusados no crime. “Foi indeferido o direito de apelar em liberdade a Pereira e aos outros pacientes, pois estes demonstraram profundo envolvimento com a atividade criminosa, bem como estreitas relações com outros grupos que praticam o mesmo tipo de fraude. Além disso, faziam do crime verdadeiro meio de vida, de modo que a manutenção de sua custódia é essencial para a garantia da ordem pública, com vistas à prevenção da reiteração delitiva e proteção do patrimônio da Previdência Social”, afirmou em parecer.

Para a Procuradoria, como o réu permaneceu preso durante toda a instrução penal, seria um  contrassenso jurídico, após sua condenação, colocá-lo em liberdade para aguardar o julgamento do apelo.

Segundo o parecer da PRR-3 “não é impeditivo à prisão processual o fato de o paciente possuir condições favoráveis, consoante consolidado e remansoso entendimento jurisprudencial colacionado na decisão que indeferiu o pedido liminar, no qual a Procuradoria Regional, na oportunidade, adota como razão.”

Seguindo o entendimento da PRR-3, a 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) denegou por unanimidade, o pedido de habeas corpus a Valter Pereira Cesar, não concedendo ao réu o direito de recorrer em liberdade.

Processo nº 0022777-37.2012.4.03.0000

Assessoria de Comunicação Social
Procuradoria Regional da República da 3ª Região
Fones: (11) 2192 8620/8766 e (11) 99167 3346
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.
twitter: @mpf_prr3